Secretaria de Saúde de Camboriú sensibiliza comunidade sobre doação de sangue

Moradoras de Camboriú foram à Blumenau na quarta-feira, dia 26, para realização de doações de sangue. A iniciativa faz parte do projeto Unidade de Saúde Solidária (USS), do Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina (Hemosc). A iniciativa também integra a programação da Secretaria de Saúde municipal para o Junho Vermelho.

“Doar sangue é uma prova de amor. É importante que sensibilizemos a comunidade sobre essa atitude, apesar de não possuirmos um banco para doação no município. O posicionamento das moradoras é louvável, esperamos que muitos outros passem a repetir”, declara a secretária de Saúde, Elisama de Freitas.

Ainda para sensibilizar a comunidade, a Secretaria de Saúde promoverá nessa sexta-feira, dia 27, um passeio ciclístico até a Praça das Figueiras, no Centro. A ação, promovida pelo Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf), inicia às 9 horas, com concentração na escola estadual Mário Garcia – rua Saul Dalago, nº 370, no bairro Lídia Duarte. Uma equipe irá passar orientações sobre doações de sangue ao fim da ação. Toda a comunidade está convidada a participar.

Números 

O Ministério da Saúde aponta que 16 brasileiros a cada mil são doadores de sangue – 1,6% da população. O número se enquadra no que é preconizado pela Organização Mundial de Saúde. Segundo dados, 66% das doações de 2017 (último índice) foram espontâneas. O restante corresponde a doações de reposição para membros da família, amigos, entre outros.

Critérios e impedimentos

Moradores entre 16 e 69 anos, cuja primeira doação foi até os 60 anos, com peso mínimo de 50 quilos podem doar sangue. O indicado é que estejam alimentados e tenham dormido pelo menos 6 horas no dia anterior. É necessário apresentar documento original com foto.

Pessoas com gripe, resfriado e febre devem aguardar 7 dias após o desaparecimento dos sintomas. Grávidas e puérperas, em amamentação, também não podem doar por tempo determinado. Quem ingeriu bebida alcoólica nas últimas 12 horas e realizou endoscopia há menos de seis meses possuem restrições. O prazo é de um ano para quem manteve relações sexuais com situação de risco.

Comente com Facebook